FanFic - Estou Com Você - Cap. II


A história se passa um pouco após o episódio 6x22 - The Hole in the Heart
Tema: The Only Exception – Paramore
Agradeço as lindas @Brystow87, @carolcbeserra e @ingridsurkamp,  que tiveram paciência para ler e comentar o cap. I da minha fic tarde da noite.

Capítulo II - A Única Exceção

Todos estavam reunidos na sala da diretoria do Jeffersonian.
- O FBI não está mesmo brincando – disse Brennan ao ver todos reunidos ali, inclusive seus estagiários, Sweets e Caroline.
Booth ficou um pouco apreensivo, mas, de algum modo, tinha que dar certo. Afinal, eles fizeram justiça, resolveram todos os casos que surgiram. E os que, de alguma forma ou por algum motivo, não puderam ser concluídos, não foram negligenciados nem por um minuto.
- Antes que um agente do FBI chegue, – disse Booth – Brennan e eu queremos garantir a vocês que, qualquer que seja o resultado de hoje, ainda seremos uma equipe.

- Vocês fazem parte da nossa família – começou Brennan - Eu sei que a maioria de vocês não consegue me entender, mas quero que saibam que eu aprendo muito com vocês. A antropologia prova que na maioria das vezes o líder de uma tribo é o administrador máximo, e é quem detém o poder sobre todas as áreas. Isso aconteceu com egípcios, gregos, romanos e chineses. No entanto, acredito que somos exceção.
Todos vocês são responsáveis pelas nossas conquistas e fracassos. Tal como níveis biológicos onde cada um tem sua particularidade, mas depende do anterior e influencia o próximo. Não importa o que aconteça hoje, ainda seremos uma exceção e um complemento.


Com lágrimas pelo rosto, Ângela abraçou Brennan. Ela sempre soube que a amiga era especial.
- Querida, mesmo quando não compreendemos você, ainda te amamos. Essa foi a declaração mais bonita que você já fez!
- Mas eu não...
- Dra. Brennan – Hodgins estava ao lado de Ângela, sorrindo – sabemos que vai ficar tudo bem. Você e Booth são o que nos une. Eles não podem separar vocês.
Ao ouvir as palavras de Hodgins, Booth se lembrou das vezes em que Bones e ele concordaram que eram o centro. No entanto, da última vez, eles chegaram ao acordo de que não eram os únicos.
- Na verdade Hodgins, Bones e eu concordamos que não somos os únicos que nos unem. Foram vocês que acreditaram primeiro que poderíamos fazer isso. Principalmente você Ângela, que sempre nos apóia, independente de tudo.
- Se eu sou a melhor antropologista do mundo, então você é a melhor artista, Angie.
- Em meio a ossos e pele, matéria orgânica e inorgânica, assassinos e inocentes, nós temos você – disse Booth concordando com Brennan. Ângela era uma ótima amiga. Talvez fosse o fato do FBI estar a um passo de separá-los que os fizessem dizer o que nunca diziam.

- Houve vezes em que precisamos um do outro e ficamos unidos. Houve uma vez em que uma pessoa precisou de nós e estávamos distantes. – Brennan fixou a atenção em Cam – Por causa dela nos reunimos. Mas foi devido a outra pessoa também. Apesar de não estar sempre conosco, ela foi capaz de juntar o que estava separado.
Brennan e Booth encaravam Caroline. Eles não gostavam de se lembrar daquela época, mas tinham que admitir que todas as mudanças, todos os acontecimentos os conduziram até ali. E havia muitos responsáveis.

-Eu?
- Você cherie – disse Booth imitando-a, o que fez todos rirem – Todos vocês nos mantêm juntos. Como Bones disse, somos uma família. Não podem nos separar.
- Eu não estaria tão certo sobre isso Agente Booth – a voz do agente que entrou na sala soou como um trovão. Ela foi capaz de fazer com que o medo, tão oprimido pelo otimismo, conseguisse um espaço para assombrar todo o time do Jeffersonian.

Sweets ainda não compreendia porque era necessário uma nova avaliação. Do ponto de vista psicológico, o relacionamento de Brennan e Booth não poderia prejudicar as investigações. Pelo contrário, o trabalho deles não tinha funcionado tão bem durante aqueles seis anos? Ele não havia ficado surpreso quando Booth e Brennan assumiram o romance. Foi apenas questão de tempo. Por um momento, ele realmente achou que eles não conseguiriam. Eles haviam perdido muitas chances, mas estavam juntos agora, e nem o FBI conseguiria separá-los.


- Sou o diretor assistente Andy Trudeau - disse ele enquanto mostrava o distintivo - Fui nomeado recentemente, então podem se dirigir a mim como agente, não me importo. Mas saibam que estou representando o FBI. Sou o responsável pela avaliação de vocês.
Esperando o agente se acomodar em uma poltrona, Sweets perguntou o que todos queriam saber:
- Senhor, gostaria de saber por que é necessária uma nova avaliação.
- Dr. Sweets, o FBI considerou que o atual envolvimento emocional entre o agente Booth e a Dra. Brennan pode comprometer o desenvolvimentos dos casos – o agente, que tinha cabelos claros e uma postura arrogante, olhava para todos enquanto falava. Brennan atribuiu isso ao fato do agente querer intimidá-los.
- O FBI concordou com minha avaliação feita anteriormente. Achei que tivesse ficado claro que o envolvimento entre eles não interfere no nosso trabalho.
- Também ficou clara a sua posição ao analisar o relacionamento dos dois. Em seus relatórios, há indícios de que interferências pessoais determinam alguns dos casos.

- Acredito que o que Sweets quis dizer é que a análise que fazemos não está apenas restrita ao laboratório. Algumas vezes é preciso pensar como o assassino ou a vítima. Muitas resoluções aconteceram porque questões emocionais estavam envolvidas. – Brennan não deixaria aquele homem dizer que o modo como trabalhavam era errado. Desde quando a forma como resolviam os casos era importante para o FBI?
- A questão Dra. Brennan, é o quanto essas questões pessoais, como a senhora disse, estão envolvidas. Pelo que me lembro, o Dr. Sweets, em seus relatórios, diz que a sua análise é racional. Então, por que está concordando com ele?
- Acredito que seja uma pergunta retórica, já que é evidente os meus motivos. As questões de como lidamos com os casos, seja de forma cientifica ou emocional, nunca interessou o FBI. O que os faz achar que Booth e eu seriamos capazes de comprometer nosso trabalho apenas para estarmos juntos?
- Diga-me você, Dra. Brennan. Mas o que acha do motivo universal, amor?
- Booth diz que o amor guia nossas ações, mas eu não concordo. Enquanto formos críticos em relação ao que fazemos, não há pretexto para nos punir. Booth não me deixa ser racional demais, assim como eu não o deixo analisar tudo sob um ponto de vista emocional. Na verdade, todos nós somos assim. É como trabalhamos.
Booth percebeu que o agente estava ficando irritado, e achou melhor tentar interromper os dois. Brennan estava certa, mas aquele cara estava com o poder nas mãos.

- Senhor, Bones e eu não misturamos nossa vida pessoal com a profissional. Não somos amadores. O trabalho de toda a equipe do Jeffersonian, incluindo Caroline, Sweets e eu, sempre foi bem feito, e vai continuar assim. Esteja eu e Bones juntos ou não.
Brennan não iria facilitar. Aquele agente precisava entender que eles todos juntos era a coisa certa.
- Sendo o representante do FBI, acho que deve reconhecer que nossos pontos de vista esclarecem que nosso trabalho é o melhor. Se Sweets não mencionou em seus relatórios, você precisa saber que as melhores mentes do mundo estão nesta sala. Caso o FBI não tenha notado, podemos fazer qualquer coisa.
- Bones! – Booth esperava que o duplo sentindo daquela frase não fosse percebido pelo agente. Onde ela estava com a cabeça ao dizer aquilo para um agente federal? No entanto, pelo modo como o agente estreitou os olhos, ele havia percebido. Bones acabava de colocá-los em um problema maior. Mas ao olhar para ela, ele viu que ela não estava disposta a desistir.

“E eu sempre vivi assim, mantendo uma distância confortável
Até agora, eu tinha jurado a mim mesma que eu estava contente com a solidão, porque nada disso algum dia valeu o risco, mas
você é a única exceção”

- Entendo o que quer dizer, Dra. Brennan. Acha que não podemos separar vocês?
- Na verdade, podem. Mas seria melhor que não o fizessem. Segundo Darwin, os mais fortes levam vantagem competitiva. E, bem, somos os mais fortes. Somos o que o FBI tem de melhor para a resolução de crimes. - ela fez uma pausa, que não durou muito - Qual é o verdadeiro motivo dessa avaliação? Por que vocês não querem que trabalhemos mais juntos?
- Já que está decidida, acho que você deve ser a primeira. O interrogatório será individual e em outra sala. Siga-me por favor, Dra. Brennan.

Antes de sair da sala, Brennan sorriu para todos. O agente tinha subestimado Bones. Booth percebeu quem realmente estava com problemas. Não podia deixar de sorrir ao pensar na reação que o agente teria quando conhecesse a sua Temperance Brennan.