Seguindo em frente

Às vezes a distância ajuda, mas normalmente ela é um empecilho.
Como é possível querer estar com alguém que você nunca viu de verdade? Querer ajudar alguém que nunca te viu além de uma tela? Não importa. Tenho certeza que o sentimento é real. O que vivemos e compartilhamos juntos é maior do que a distância que nos separa.
A dor que pessoas próximas de nós, que vemos e tocamos todos os dias, causam nem sempre é sem intenção. Estaria mentindo se dissesse que não pensei em desistir várias vezes.


Mas toda vez que eu tento, alguém surge para me levantar, para me afastar da escuridão. E toda vez que o sentimento com gosto agre-doce está lá, você surge e substitui as lágrimas e a tristeza. Eu queria, mas você não pode apagá-las ou me afastar do que estar por trás delas.
O importante é que você minimiza os danos e impede que o mundo vire de cabeça para baixo.
O que seria de mim sem você? Aliás, o que seria de mim sem vocês?
Como a Carol D. C. disse, às vezes tenho uma recaída. Mas ficarei bem, como sempre. Seguindo em frente, devagar.