Resenha Cinquenta Tons de Cinza

"Feliz está longe de começar a dar a ideia de como eu me senti. Êxtase arrebatador chega perto."

Cinquenta Tons de Cinza tornou-se rapidamente um fenômeno. De repente tudo se referia a trilogia de E. L. James. De repente a malícia ganhou novos parâmetros e novas piadinhas. Quem nunca viu ou ouviu alguém citar "Fifty Shades of Grey"? Bem, não deixe que as opiniões sensacionalistas influenciem demais. Principalmente com o fato do erotismo. Foi o que eu fiz. Eu estava curiosa, então pedi a uma amiga que me emprestasse o seu exemplar. Eu estava preparada para rejeitá-lo, pois minha lista de leitura não envolve "romances adultos", mas aconteceu o oposto. 


"Será que preciso de um lembrete visual do lindo Christian 'Não Te Quero' Grey?"

Não vou mentir, há cenas eróticas no livro que fazem jus a tudo o que o tem sido dito do livro nesta área. Mas também há em filmes, e a probabilidade de deixar de assisti-lo completamente só por causa disso é quase nula. Eu gostei da história! Na verdade, adorei. É criativa, estimulante, e, de certa forma, inovadora. No começo eu estava louca para descobrir o segredo de C. Grey (na minha cabeça ele é tão bonito *-* hahaha) e depois eu queria saber o que a Ana iria fazer. Agora, eu continuo ansiosa para desvendar os mistérios desse homem e curiosa em como tudo vai terminar (é, estou chegando ao Cinquenta Tons Mais Escuros agora :/) O que eu gosto nele é a objetividade, e aquela coisa do "é quem eu sou", mas parece que ele pode mudar ao menos um pouquinho (spoilers? Alguém se habilita?).

"Freud adoraria saber disso. E então, provavelmente morreria tentando lidar com Christian."

E a Ana é uma personagem forte que parece (oi?  a mocinha indefesa mas também é a heroína. Adoro as conversas que ela tem consigo mesma, principalmente com a Deusa interior dela. Adorei "ouvir" Witchcraft do Frank Sinatra na história! Combina muito e eu adoro essa música *-* Comecei a gostar aí... Mas, de tudo, o que eu mais gostei foram dos E-MAILS. Foi com eles que eu me apaixonei de verdade. Tem como ser mais fofo?


"Srta. Steele, ele anda infernal esses últimos dias. Ainda bem que você está aqui"

Embora os palavrões tenham me surpreendido (desculpa, mas não estava acostumada com palavrões como "cacete" em um livro), eu não consegui parar de ler. O livro é muito divertido e emocionante, e E. L. James tem uma escrita cativante. Quem gosta mesmo de histórias diferentes, quem - como Christian Grey -  tem um gosto eclético, com certeza tem que ler.

Descobri que minha mente e minha imaginação tem uma maturidade maior do que eu pensava, e só pude concluir isso com o romance da incrível Erika L. James. Não sei como definir 50 Tons de Cinza, pois é uma daquelas leituras que te desafiam, que significa algo diferente pra cada um, e só quem leu consegue entender.


"Estou encantada com esse súbito e inédito ataque de sinceridade. Quem sabe é a hora? Algo na água da Geórgia? O ar da Geórgia? O que mais quero saber? Carpe diem."


Foi uma aventura na qual eu esperava desistir, mas me apaixonei pela trilogia e agora eu quero mais. Então, com certeza recomendo. Assim, rápido e de repente como seu sucesso, Cinquenta Tons de Cinza tornou-se um favorito para mim também.

P.S.: Estou com medo dessa provável adaptação cinematográfica.