Rock In Rio 2013: Palco Mundo

 FLORENCE AND THE MACHINE


Já diz a página do G1, na qual roubei todas as fotos do show, que 'Florence ganha Rock in Rio no grito com pose de 'louca e feiticeira'. Não irei negar nada, nem a pose de louca (gritou e correu mais do que criança. Gentee, ela é uma linda!) e feiticeira, sendo esse último uma das coisas que mais me atraiu nas músicas dela.

Florence and the Machine dividiu seu repertório entre os discos "Lungs" (2009) e "Cerimonials" (2011), que contou com: Cosmic Love, Spectrum, Drumming Song, Rabbit Heart, as minhas favoritas No Light, No Light e Shake It Out, entre outras.
Para finalizar, o hit 
"Dog Days Are Over", que foi recebido com muita energia pelos fãs, e demonstrou o fôlego e a bonita voz da querida Florence. 


Toda a performance foi muito bem feita e elétrica, diferente de uma apresentação em Londres, exibida pelo canal Film&Arts, que eu assisti uma vez.




Rodrigo Ortega, responsável pela crítica do show no G1, diz que 'do vestido esvoaçante aos gestos, tudo é feito para criar um clima meio sobrenatural. Florence abre os braços e move as mãos trêmulas em direção ao público como se estivesse possuída ou lançasse passes de magia'. Eu não esperaria menos. Notamos todas essas características místicas em seus clipes (e músicas) e foi um diferencial encantador no Palco Mundo.


No texto original, achei um pouco exagerado e ofensivo por parte de Ortega relacionar "prestes a ser abduzida" e "tal qual uma mãe de santo" a apresentação. Em que momento foi isso? Pois eu não notei isso durante o show e nem descreveria desta forma, mas enganos acontecem, e o que pode ser notado, com certeza, foi a emoção que suas músicas criaram no público. 


Florence, seja na apresentação do Rock in Rio ou em outras, é um sinônimo de idiossincrasia (disposição da sensibilidade que faz com que um indivíduo sinta, de modo especial e muito seu) que faz notar sua presença de palco e influência na difusão dos gêneros indie e rock alternativo.

Foi uma apresentação memorável para uma fã como eu. Valeu a noite!